Esta semana estivemos no Google Analytics User Conference (GAUC) de Barcelona 2013, evento organizado pela WebAnalytics, Watt, Metriplica, TheCocktail e Overalia, e em que se reúnem especialistas do setor de métricas e membros da equipe do Google Analytics.

paul muret GAUC 2013

Paul Muret, diretor de engenharia do Google Analytics, no GAUC 2013

Tal como adiantamos há umas semanas, na sala de imprensa de Overalia, nesta ocasião, tivemos a presença de Paul Muret, diretor de Engenharia do Google Analytics e um dos fundadores do Urchin. Toda uma autoridade na matéria.

Sendo assim, além de Guilherme Vilarroig, diretor de Overalia, também participaram como palestrantes Pere Rovira, sócio-diretor de Elisa Group em Portugal, que falou sobre “Webanalytics: Big Data + Premium”; Fernando Quintero, sócio-fundador da empresa Metriplica, que explicou como medir com o Google Analytics, o on e o off de um caso real; Ander Jauregui, consultor de business intelligence e análise da web em The Cocktail que se concentrou no Google Tag Manager; e Jaume Clotet, sócio-diretor da consultoria em WATT e fundador e diretor de Netsuus, que falou sobre mobile analytics, suas novidades e aplicativos com GA.

E é que, como cada ano, o GAUC tem sido uma experiência de alta tensão, graças ao nível dos colegas e a absoluta atualidade de suas palestras. Sem dúvida, uma verdadeira injeção de motivação para continuar imerso no mundo da análise de dados, de onde nunca deixamos de aprender a tirar faíscas a essas ferramentas.

Guilherme Vilarroig, diretor de Overalia, ministrou uma palestra sobre como aplicar as novidades do Google Analytics, acompanhado do programador Iker Jericó. Neste post vamos resumir algumas das ideias que quisemos transmitir em nossa conversa.

A importação de dados de custos com o Google Analytics tem sido uma das funcionalidades mais esperadas há muito tempo, além de uma matéria pendente por parte do Google. Sim, há que reconhecer que, contrastándolo com muitos colegas do setor, é uma aplicação que não está a ser utilizado em excesso.

Por que é importante importar os custos de dados no Google Analytics?

importar dados do Google AnalyticsBasicamente serve para automatizar a análise da eficácia das campanhas que são realizadas na base um indicador muito simples: o ansiado retorno do investimento (Renda de campanhas – Custo campanhas)/Custo campanhas.

Apesar de tudo é atualizável e re-optimizable, com este dado (e novo relatório) pode-se avaliar de uma olhada se você realmente está investindo bem o orçamento. Simples assim.

O exemplo do Google, você pode ver o Revenue Per Click (RPC), ou seja, o valor de cada clique no anúncio, com base nos rendimentos obtidos. Junto com o ROI da campanha, oferece uma idéia sobre qual tem sido a campanha mais lucrativa.

revenue per click RPC google analytics

Estes dados podem-se obter subindo para os servidores do Google a informação necessária, como a fonte de tráfego, (por exemplo, Yahoo), o meio (por exemplo, PPC), e os custos desta campanha, juntamente com as impressões e cliques recebidos. Do resto se ocupa a ferramenta calcula automaticamente estes indicadores.

Trata-Se de um aspecto muito importante, já que permite gerir de forma mais campanhas com menos tempo. Podemos tentar e errar, mas dispondo dos dados sem necessidade de recorrer ao Excel.

Aplicação em sites de comércio eletrônico

Sem dúvida, a aplicação mais clara é a lojas de comércio electrónico onde a conversão se registra e se calcula de forma automática. Os dados são os que são.

comércio electrónico Google Analyticsé claro, você pode fazer um análise mais profundo cruzando os dados com outros indicadores, mas o mais importante é que o investimento não custe dinheiro. E com isso o resolvemos.

Aplicação em sites de geração de contatos

contato-venda-Google-AnalyticsDe entrada, teremos que ter ativado o módulo de comércio eletrônico para ter os dados do relatório.

Em segundo lugar, teremos que (opcionalmente) dar um valor ao objetivo para calcular o ROI. Se não o temos, os dados estarão vazios. Neste caso você tem que jogar um pouco mais de imaginação ao assunto, já que há que se ter clara a qualificação desse contato e o seu real valor no processo de venda off-line.

Em casos de clientes, onde o processo de venda é muito longo e o valor de venda é muito alto (como pode ser o caso de um de nossos clientes, que faturou 20 milhões de euros), é difícil aplicar uma renda por contato. São pré-vendas que podem durar até um ano e meio. Nossa opinião é a de que há que ter uma visão de projeto de até 2 anos para que se consolidem alguns canais de aquisição de tráfego, como o SEO internacional. Há que marcar todas campanhas para traçar bem o tráfego, aumentar os custos e calcular os rendimentos, quando estes ocorram.

Em qualquer caso, o custo por contato qualificado online (que é o que passa a oferta) é o parâmetro a seguir, já que se pode comparar com os custos de contatos nos canais tradicionais como são as feiras ou agentes.

Em setores como o industrial ainda se desconhecem as possibilidades que oferece o marketing online, tanto em quantidade (pode chegar a mercados que com os métodos tradicionais são inaplicáveis) como na qualidade dos contatos recebidos.

Em outros modelos com os quais temos trabalhado, como é o caso de venda de cursos online ou venda de franquias de baixo custo, este processo pode acelerar, já que os processos de venda são muito curtos e podem ser fechos mensais de vendas. A empresa já existe um histórico de dados de conversão off line para a venda, por que esse dado pode-se ir ajustando a hora de imputar o valor da conversão.

Aplicação em locais para a geração de branding e reputação

reputacaoocasiões Em que a presença e estratégia na internet passa por ganhar visibilidade para provocar a venda offline. Acima de tudo, em processos de internacionalização, onde se pretende dar suporte para a rede comercial.

Nestes casos, se trabalha de forma muito segmentada, escolhendo um país e um sector muito específico sobre o que se quer criar ou expandir a imagem de marca. Costuma ser algo muito concreto, muito de nicho.

Para isso, apoiamo-nos na metodologia de pessoas, onde realizamos uma análise detalhada do perfil do cliente potencial. E trabalhamos em um plano de conteúdo onde definimos de forma exaustiva a informação técnica que esse perfil pode avaliar.

Em seguida, é feito um plano de meios em que se define em quais espaços digitais inserir a publicidade. O objetivo é saber quais desses meios são eficazes e quais não, de acordo com o investimento feito e os benefícios obtidos por cada um deles. Neste sentido, é imprescindível atribuir um valor aos contatos qualificados obtidos através do suporte digital e compará-lo com outras fontes de contatos como as feiras no canal offline.

Deixamos a apresentação utilizada por Guilherme Vilarroig para ampliar a informação exposta em sua palestra.Qualquer aponte será bem-vindo!Gauc 2013 importacion_costes_google_analytics_guillermo_vilarroig_overalia from Overaliazp8497586rq

Você vai gostar